Quer um jardim saudável? Conheça a Teoria da Trofobiose!!

Assim como nós, as plantas também ficam doentes. Pragas, vírus, bactérias, fungos, esses parasitas que tanto nos incomodam, assombram também nosso jardim. O que fazer para minimizar ou até eliminar esse problema?

Conhecendo a Teoria da Trofobiose que foi elaborada pelo pesquisador francês Francis Chaboussou em 1969 , (onde Trofo = Alimento e Biose = Existência de Vida), na qual diz que as plantas adquirem o máximo de resistência biológica através de nutrição equilibrada;  adequação da luminosidade; a disponibilidade de água em se tratando da preferência de cada espécie,  com certeza esta planta vai repelir a ação de patógenos.

Isso acontece porque recebendo suas necessidades, seu metabolismo fabrica substâncias complexas como: proteínas, açúcares e vitaminas, as quais não são digeridas pelo aparelho digestivo de insetos e microorganismos. Quando há carência ou excesso (desequilíbrio), de qualquer uma destas necessidades a seiva será formada apenas por aminoácidos, substância simples e de fácil digestão para os inimigos, abrindo assim uma “porta” para o “banquete”.

                 Este desenho exemplifica a teoria.

Nem sempre é fácil manter um espaço com plantas totalmente ‘sadias’. Conhecendo bem a espécie e suas exigências já é um bom começo! Quando temos este conhecimento já estamos colocando em prática parte do controle ecológico, que nada mais é que: diminuir as chances de um ataque fortalecendo a planta. Esse controle é muito usado em cultivos de uma mesma espécie.

Há outros fatores que influenciam a resistência das plantas. São os períodos críticos do seu ciclo e outros executados pela mão do homem:

  • Na formação da inflorescência as folhas perdem o poder de síntese, podemos dizer que há certa decomposição de suas proteínas deixando “aquela porta-aberta” que falamos antes.
  • Adubos químicos, (sais solúveis concentrados), muitas vezes, provocam alterações no metabolismo das plantas, propiciando uma absorção descontrolada e um desequilíbrio nutricional, podendo ainda causar mudanças nos padrões químicos e físicos do solo tendo uma ação indireta sobre microrganismos existentes.
  • Os agrotóxicos afetam a resistência, diminuem a respiração, transpiração e a fotossíntese das plantas, além de afetar a vida do solo.

Sempre que puder optar, use adubos orgânicos, adubos minerais de baixa solubilidade, estes se tornam disponíveis gradativamente para absorção das raízes, aumentando assim, a proteossíntese (formação de proteínas), e ainda melhoram a característica física e química do solo.

Defensivos naturais exercem uma ação benéfica no metabolismo das plantas e não interferem na vida do solo.

Para alcançarmos o tão almejado “Jardim Saudável”, devemos aprender a dialogar com ele, conhecer os sinais e observar indicadores biológicos. Corrigir o desequilíbrio eliminando a causa do problema ao invés de eliminar as conseqüências. Na falta de conhecimento, procure um bom profissional, que poderá indicar meios ecologicamente corretos de nutrir, tratar e manter seu “Jardim Saudável”.

         Até a próxima!!

         Abraços Verdes!!

Voce também vai gostar de ver:

Sobre Clarice Kroeff Bergesch

Técnica em Paisagismo e Gestão Ambiental, formada pela Escola de Paisagismo/SP e Escola Técnica Bom Pastor/RS, atuante na área há mais de 10 anos. Possui formação multidisciplinar que abrange profundo conhecimento na área de Agronomia, Arquitetura, Botânica, Legislação Ambiental, Desenho Técnico, Artes Plásticas entre outros. Seus conhecimentos são aprimorados e atualizados através de cursos especializados com renomados profissionais da área, feiras, eventos, fóruns e congressos, para levar aos seus clientes a melhor combinação custo/beneficio com projetos diferenciados. Supervisiona pessoalmente todos os projetos, grandes ou pequenos, trabalhando sempre com sua equipe especializada.
Esta entrada foi publicada em Pragas e Doenças e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>